Diogo Cata Preta

feeds

Customiza√ß√Ķes no ERP

Muitas customiza√ß√Ķes na solu√ß√£o de gest√£o empresarial podem ser um tiro no p√© quando a empresa decide atualizar a tecnologia.

Por Todd R. Weiss, da CIO.com

Se sua empresa optou por customizar o sistema de gest√£o empresarial (ERP) nos √ļltimos anos, as futuras atualiza√ß√Ķes da tecnologia provavelmente v√£o ser mais dif√≠ceis. Isso porque, as mudan√ßas geradas podem entrar em conflito com os patches do sistema. Mas, por outro lado, se a companhia estiver utilizando um ERP sob demanda com poucas personaliza√ß√Ķes, talvez n√£o esteja usando todos os requisitos importantes para os neg√≥cios.
Ent√£o, o que o CIO deve fazer? E como descobrir o que fazer se upgrades ou substitui√ß√Ķes ter√£o de ser realizadas?
Essas s√£o d√ļvidas enfrentadas regularmente por empresas de todos os tamanhos quando o assunto √© o futuro das implementa√ß√Ķes de ERP na organiza√ß√£o, diz Rebecca Wettemann, analista de ERP do Nucleus Research Inc.
“N√≥s vemos mais e mais CIOs optando pela m√≠nima customiza√ß√£o‚ÄĚ, afirma. “Na √ļltima rodada de implementa√ß√Ķes de ERP que as empresas realizaram, talvez h√° dez anos, elas optaram por efetuar diversas customiza√ß√Ķes. Mas eu diria que a maioria, cerca de 90%, est√° hoje fazendo o inverso. O que resulta em uma ado√ß√£o mais barata. Essa movimenta√ß√£o torna os upgrades menos perturbadores e menos custosos‚ÄĚ, avalia.
Parte da raz√£o que gerou essa tend√™ncia √© que os fornecedores de ERP est√£o agora reconhecendo que, se construir aplica√ß√Ķes que incluem verticaliza√ß√£o, ser√° mais f√°cil para as empresas adotar a tecnologia com menos problemas e menos customiza√ß√Ķes, pontua.
“As aplica√ß√Ķes verticalizadas” s√£o desenhadas para ind√ļstrias espec√≠ficas. Por isso, s√£o projetadas para se encaixar em diferentes tipos de empresas. Para ajudar as aplica√ß√Ķes se ajustarem √† companhia, os fornecedores incluem componentes que os usu√°rios podem configurar de acordo com as demandas dos neg√≥cios, sem a necessidade de escrever c√≥digos ou efetuar uma personaliza√ß√£o profunda.
Isso significa que as aplica√ß√Ķes verticalizadas podem ser atualizadas mais facilmente e gerar menos problemas depois da atualiza√ß√£o do c√≥digo do sistema.
Um fornecedor que executa bem essa tarefa √© a NetSuite, empresa que oferece ERP na nuvem e que permite muitas customiza√ß√Ķes nos produtos, diz a analista da Nucleus Research. Mesmo alguns dos grandes fornecedores no mercado de ERP tendem hoje a n√£o indicar grandes personaliza√ß√Ķes.
“Se voc√™ for √† Oracle, eles v√£o dizer para n√£o customizar o produto”, diz Rebecca. “Eles v√£o orient√°-lo a usar um aplicativo verticalizado‚ÄĚ, afirma. Segundo a analista, esse virou um mantra no mercado de ERP.
“O que estamos vendo s√£o empresas dizendo ‚Äėvamos adotar essa estrat√©gia agora porque sempre poderemos ajustar ou alterar a plataforma mais tarde‚Äô”, diz. A ideia de que o ERP √© um grande curativo e que nada pode mudar depois de implement√°-lo est√° acabando.
“Os clientes veem isso como uma jogada menos arriscada, uma maneira mais previs√≠vel para implementar um ERP e uma forma de minimizar as interrup√ß√Ķes e os custos ao longo do tempo”, avalia.
Há outros quesitos que devem ser levados em consideração, como a certeza de que encontrará um parceiro de confiança para trabalhar com você durante a atualização do ERP, aconselha.
“Eu escuto isso de muitos clientes”, pontua. “No ERP, o sucesso n√£o depende apenas do software, mas do parceiro tamb√©m. E a escolha de um integrador significa encontrar aquele que tenha experi√™ncia suficiente para gui√°-lo quando voc√™ quiser migrar para o modelo em nuvem ou realizar alguma personaliza√ß√£o‚ÄĚ afirma. ‚ÄúA companhia vai em busca de algu√©m que j√° tenha realizado essas atividades antes para poder ajud√°-lo no sucesso da a√ß√£o‚ÄĚ, completa.
Ao decidir a estrat√©gia de ERP, √© importante ainda trabalhar com os usu√°rios da tecnologia e ouvir opini√Ķes.
“As pessoas est√£o-se tornando os propriet√°rios das unidades de neg√≥cios e agora os usu√°rios finais s√£o envolvidos no processo muito mais cedo”, diz ela. “Isso significa que a equipe est√° mais envolvida e efetuando testes de usabilidade. Isso n√£o era t√£o comum h√° alguns anos.”
Ent√£o, o que mudou?
“Hoje, os CIOs perceberam que o usu√°rio √© realmente cr√≠tico para o sucesso de uma implementa√ß√£o de ERP”, diz Wettemann. “Se os usu√°rios atuarem no projeto desde o in√≠cio, poder√£o dar um feedback muito bom para que a empresa possa resolver problemas antes que eles se tornem realidade‚ÄĚ, assinala.
Outro benef√≠cio do envolvimento dos usu√°rios no processo √© que esse sistema permite mostrar aos usu√°rios como um aplicativo pode facilitar suas vidas, diz Rebecca. “Essa abordagem geralmente parte de CIOs que provavelmente testemunharam grandes falhas em ERPs que ocorreram devido a problemas de ado√ß√£o do usu√°rio.”
√Č importante tamb√©m, diz ela, n√£o subestimar a capacidade tecnol√≥gica dos usu√°rios corporativos, mesmo quando voc√™ est√° mostrando novas funcionalidades. “Eles est√£o ficando cada vez mais experientes em todos os lugares‚ÄĚ, diz.
Conforme a organiza√ß√£o explora suas estrat√©gias de ERP, √© uma boa ideia ainda envolver os usu√°rios em discuss√Ķes sobre os produtos e os fornecedores que a TI est√° considerando, afirma a analista. ‚ÄúEles podem dar uma avalia√ß√£o honesta com base em suas pr√≥prias experi√™ncias.”
N√£o importa o caminho que voc√™ tome, h√° v√°rias quest√Ķes-chave para pensar antes de continuar, afirma Rebecca.
1. A aplicação que você está revendo já tem funcionalidades verticais e é configurável da forma que você precisa para os seus processos de negócio? Será que a tecnologia é capaz de fazer o que você deseja? Será que vai funcionar para os seus usuários?
2. O fornecedor e os parceiros t√™m refer√™ncias de empresas e ind√ļstrias como a sua? Ser√° que eles t√™m de fazer customiza√ß√Ķes em vez de simplesmente configurar? Quantas personaliza√ß√Ķes esse processo envolve?
3. Essa é uma iniciativa liderada pelo CIO ou pela área de negócios? Se você tiver um apoio empresarial forte, pode efetuar uma mudança maior no sistema de gestão, o que significa menos customização do código.
Se você optar por atualizar, personalizar, ou substituir, o ERP tem de se adequar à empresa, aos negócios e às necessidades para ser, de fato, um sucesso.
Um ponto importante para se lembrar √© que voc√™ e sua empresa n√£o est√£o sozinhos em suas decis√Ķes sobre o caminho que o ERP tem de tomar. Muitas organiza√ß√Ķes de grande ou pequeno porte est√£o passando por problemas semelhantes.
“Muitas empresas de m√©dio porte est√£o optando por implementar um ERP pela primeira vez, enquanto as grandes organiza√ß√Ķes est√£o avaliando mudan√ßas e atualiza√ß√Ķes”, diz a analista. “No mundo Oracle, por exemplo, a maioria est√° em busca de upgrades nesse momento e esperando para ver o que acontece com o Fusion, gera√ß√£o avan√ßada de ERP da fornecedora. No mundo SAP, n√£o vemos novas implementa√ß√Ķes agora”, finaliza.

O que é Oracle E-Business Suite?

Oracle E-Business Suite é um pacote de aplicativos que permite a uma organização gerenciar os processos chaves de seu negócio. Este aplicação é conhecida no mercado por varios nomes:

Neste site eu sempre irei usar a referencia como E-Business Suite ou Oracle Applications.

No passado, n√£o muito distante, era pratica comum para as organiza√ß√Ķes desenvolver software¬† “em casa”, para automatizar os processos do neg√≥cio. Eu mesmo trabalhei por mais de 1 ano na constru√ß√£o do sistema de gest√£o¬† de sinistro (ECHO) da gigante Van Ameyde.¬† A maioria dos softwares desenvolvidos “em casa” correspondem precisamente o que o negocio necessita. Entretanto, o fundamento do fluxo do neg√≥cio e processos como os de contabilidade, contratos, recursos humanos, e gerenciamento de pedidos s√£o baseadas em principios comuns para qualquer organiza√ß√£o. Por exemplo, grande partes das empresas necessita de um sistema que fa√ßa compras de fornecedores e um sistema quee fa√ßa pagamento dos fornecedores e eventos conhecidos como transa√ß√Ķes que devem ser contabilizadas no relat√≥rios financeiros. Enterprise Resource Planning (ERP) √© um pacote de softwares que disponibiliza diferentes tipos de funcionalidades dentro de si, entao um cliente que compra este pacote de software n√£o precisa desenvolver o mesmo software novamente.

Familia de Produtos

Oracle E-Business Suite √© um produto que cobre grande parte de todo o fluxo de neg√≥cio amplamente usados na maioria das organiza√ß√Ķes. O neg√≥cio pode implementar quantos m√≥dulos forem necess√°rios mas o sistema continua naturalmente integrado devido a arquitetura do E-Business Suite. Isto permite que as informa√ß√Ķes continuem integradas e disponivel para a empresa; isto reduz muito os gastos com a TI (Tecnologia da informa√ß√£o) e torna o negorio mais eficiente.

Ao contratio de se tentar gerenciar uma solu√ß√£o de software geralmente heterogeneo, desenvolvida “em casa”, que frequentemente usa diferentes sistemas e tecnologias de desenvolvimento, sendo portanto extremamente dispendioso e complexo.

Os produtos oferecidos pelo E-Business Suite s√£o organizados em familias:

No E-Business Suite, cada familia consiste de aplicativos.

Por exemplo, alguns dos aplicativos que compoem o produto Oracle Financials s√£o:

Espero que tenham gostado deste over-view do Oracle EBS. Muito obrigado e até a próxima.

Conheça um pouco mais sobre Oracle e-Business Suite

Imagem da tela de logon do OEBS R12

O Oracle E-Business Suite, tamb√©m conhecido como Oracle Applications ou Oracle Financials, possui aproximadamente 25.100 tabelas e 33.000 vis√Ķes (views) em seu banco de dados. Um dos principais desafios aos desenvolvedores de relat√≥rios que acessam estas informa√ß√Ķes do Oracle EBS √© determinar a localiza√ß√£o correta dos dados neste conjunto t√£o grande de objetos dispon√≠veis. Neste artigo iremos discutir como a Oracle organizou o banco de dados do Oracle EBS para tornar mais f√°cil o trabalho dos desenvolvedores.

Cada produto ou m√≥dulo do Oracle EBS possui seu pr√≥prio esquema de banco de dados, nos quais est√£o localizados os seus objetos. Por exemplo, o m√≥dulo BOM (Bill of Materials) tem um esquema pr√≥prio de banco de dados com seu c√≥digo ‚ÄėBOM‚Äô. Cada um dos m√≥dulos do Oracle E-Business Suite tem um c√≥digo identificador √ļnico que √© usado para nomear seus respectivos esquemas de banco de dados. Existe um esquema principal, chamado APPS, com um usu√°rio tamb√©m chamado APPS que tem privil√©gios para acessar objetos de outros esquemas.

O APPS possui todos os objetos de c√≥digo de banco de dados, como procedimentos (procedures), gatilhos (triggers), fun√ß√Ķes (functions), pacotes (packages), vis√Ķes (views) e vis√Ķes materializadas (materialized view), assim como tem direito de acesso √†s tabelas, √≠ndices, seq√ľ√™ncias (sequences) e restri√ß√Ķes (constrains) de outros esquemas pertencentes a outros produtos. O esquema APPS aumenta a confiabilidade e reduz o tempo necess√°rio para a instala√ß√£o inicial, instala√ß√£o de novas vers√Ķes (upgrade) e instala√ß√£o de corre√ß√Ķes (patches), pois elimina a necessidade de controle de direitos de acesso entre produtos.
Para produzir os relat√≥rios, os desenvolvedores devem conectar-se ao banco de dados usando o usu√°rio APPS na base de testes, pois este usu√°rio tem permiss√£o de acesso a todos os objetos que fazem parte do Oracle EBS. Al√©m disso, a Oracle facilitou a busca pelos objetos desejados pelo desenvolvedor, pois adotou um padr√£o para nomenclatura dos objetos de banco de dados. Todos os nomes de objetos iniciam com a abrevia√ß√£o do produto. Por exemplo, o m√≥dulo de compras (purchasing) tem a sigla ‚ÄėPO‚Äô e todos os objetos deste m√≥dulo come√ßam com ‚ÄėPO_‚Äô.
Localizar o dado desejado em mais de 50.000 objetos n√£o √© uma tarefa f√°cil assim, conhecer os padr√Ķes de nomenclatura de objetos e como eles s√£o armazenados, facilita o trabalho dos desenvolvedores. A Oracle disponibiliza aos seus clientes e parceiros um manual eletr√īnico de refer√™ncia t√©cnica (ETRM – Electronic Technical Reference Manual) que tem informa√ß√Ķes sobre todos os objetos e esquemas do Oracle E-Business Suite. Ele pode ser acessado online no endere√ßo http://etrm.oracle.com e fornece um bom suporte para localiza√ß√£o da informa√ß√£o desejada. Para ter acesso a este manual √© necess√°rio primeiramente que o usu√°rio tenha permiss√£o de acesso ao Metalink (http://metalink.oracle.com) Oracle Support (http://support.oracle.com).
Estas s√£o pequenas dicas de como sua empresa pode localizar informa√ß√Ķes espec√≠ficas para o desenvolvimento de customiza√ß√Ķes do Oracle E-Business Suite.

Espero que tenham gostado das dicas.