Diogo Cata Preta

feeds

O homem que vendeu a Torre Eiffel

O homem que vendeu a Torre EiffelEra 1925. O austríaco Victor Lustig estava vagabundeando em Paris quando leu no jornal: PREFEITURA TEM DIFICULDADES PARA MANTER A TORRE EIFFEL.

Foi o suficiente para ati√ßar sua malandragem. Lustig se passou por oficial do governo franc√™s e foi atr√°s de empres√°rios que mexiam com ferro-velho. Arranjou 6. E chamou a turma para uma reuni√£o num hotel de luxo. “Como os senhores j√° devem ter lido, Paris n√£o tem mais como bancar a Torre”, disse. “A sa√≠da √© uma s√≥: demolir aquelas 8 mil toneladas de metal e vender como sucata.” Ele chegou a alugar uma limusine para levar os homens para uma “visita de inspe√ß√£o” ao monumento.

Depois, chamou de canto o empres√°rio que ele achou mais ing√™nuo e insinuou: “Se rolar uma comiss√£ozinha, posso facilitar as coisas para o senhor”. N√£o teve erro: o homem subornou o “oficial” Lustig e levou a torre. Antes que o comprador percebesse o cha-p√©u, Lustig j√° estava em um trem com o dinheiro.

O lesado, por sinal, n√£o teve coragem de dar queixa na pol√≠cia. Afinal, seria o maior vexame se todo mundo soubesse que ele tinha acabado de subornar um trambiqueiro… Pois √©. Lustig era mestre porque sabia enganar malandros. E que malandros. Certa vez, o golpista procurou ningu√©m menos que Al Capone, oferecendo um esquema para fazer o dinheiro dele dobrar em dois meses com uns investimentos. O mafioso lhe deu 50 mil d√≥lares, junto com uma descri√ß√£o do que lhe aconteceria se o enganasse. A√≠ Lustig simplesmente guardou tudo em um cofre. E dois meses depois, devolveu tudo para Capone, pedindo desculpas e contando que o esquema de investimentos tinha falhado. Grato por Lustig ter sido t√£o honesto, Capone lhe deu 5 mil d√≥lares como pr√™mio. E era o tal do pr√™mio que Lustig esperava desde o come√ßo.

Outro golpe que ele aplicava em golpistas era vender m√°quinas de falsificar dinheiro. Falsas. Ele escolhia um bandido e contava que tinha um aparelho fant√°stico, capaz de copiar notas. “S√≥ que leva 6 horas para que o trabalho fique ok”, dizia. O picareta, ent√£o, colocava uma nota de 100 d√≥lares na m√°quina para demonstra√ß√£o. Seis horas depois, sa√≠a uma “c√≥pia” perfeita (Lustig colocava duas c√©dulas verdadeiras l√° dentro antes, claro). Depois de embolsar o dinheiro pela m√°quina, ele ia embora.

E o comprador s√≥ percebia o engodo depois de 6 horas… Em 1934, finalmente, a carreira dele acabou. Lustig foi preso e mandado para Alcatraz, onde fez companhia ao amigo Capone.


Comentários

Leave a Reply