Diogo Cata Preta

feeds

Tecnologia permite sentir objetos virtuais feitos com ultra-som

Uma nova tecnologia desenvolvida por cientistas japoneses permite que as pessoas possam sentir com o tato, com as m√£os limpas, objetos virtuais por meio de ondas de ultra-som.

Cientistas j√° haviam criado formas de integrar o sentido do tato a softwares, mas o que foi desenvolvido at√© hoje vinha exigindo que o usu√°rio usasse luvas ou aparelhos mec√Ęnicos que produzem a sensa√ß√£o de toque.

A inovadora tecnologia japonesa, porém, permite que a sensação tátil seja reproduzida sem nada nas mãos.

O prot√≥tipo inclui uma c√Ęmera que identifica a posi√ß√£o da m√£o do usu√°rio. A informa√ß√£o √© transferida para geradores de ondas ultra-s√īnicas no aparelho, que emitem as ondas de diferentes maneiras, criando uma “forma” em pleno ar.

O resultado é uma sensação tátil de estar percorrendo a borda ou superfície de um objeto virtual.

Videogames

O sistema foi criado pelo pesquisador Takayuki Iwamoto e seus colegas da Universidade de Tóquio. A equipe está no momento aprimorando a tecnologia para permitir uma sensação tátil mais firme e a reprodução de objetos virtuais com formas mais complexas.

Iwamoto espera poder, no futuro, usar a t√©cnica em programas 3-D e videogames e diz que sua equipe “recebeu v√°rias propostas de empresas” quando o prot√≥tipo foi apresentado em uma confer√™ncia no m√™s passado.

O sistema √© “o primeiro do tipo”, segundo o pesquisador da Universidade de Glasgow Stephen Brewster, especializado em tecnologias t√°teis como essa.

“Voc√™ pode sentir com ambas as m√£os, em vez de ter simplesmente um √ļnico ponto de contato, e v√°rias pessoas podem us√°-lo ao mesmo tempo”, diz Brewster.

“√Č √≥timo ter um aparelho que voc√™ pode simplesmente usar sem precisar vestir ou segurar qualquer outro dispositivo”, afirmou.

Para mais notícias, visite o site da BBC Brasil

¬© British Broadcasting Corporation 2006. Todos os direitos reservados. √Č proibido todo tipo de reprodu√ß√£o sem a autoriza√ß√£o por escrito da BBC BRASIL.


Comentários

Leave a Reply